Fevereiro Roxo: conscientização sobre o Alzheimer

Em fevereiro, profissionais de saúde e associações de pacientes buscam conscientizar a população sobre o Alzheimer. A doença se manifesta a partir dos 60 anos de idade e provoca perda da capacidade cognitiva, da memória e demência. O Alzheimer destrói as funções do cérebro e não tem cura. A doença possui as fases leve, moderada e grave. De acordo com o Ministério da Saúde, o Alzheimer costuma evoluir de forma lenta e progressiva. A partir do diagnóstico, a sobrevida média oscila entre 8 e 10 anos.  A causa é desconhecida, mas acredita-se que seja geneticamente determinada em 10% dos casos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que o Alzheimer afeta cerca de 35,6 milhões de pessoas em todo o mundo, número que deve dobrar em 2030. No Brasil, o cálculo da Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz) é de que 1,2 milhão já sofram os efeitos da neurodegeneração.

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece acompanhamento e tratamento para portadores do Alzheimer, inclusive com a entrega de medicação. Diante de suspeita da doença ou anormalidades relacionadas ao esquecimento, o paciente deve procurar uma unidade básica de saúde (UBS). A partir daí, se for o caso, ele será encaminhado ao especialista.

Para prevenir o desenvolvimento da demência é necessário adotar hábitos de vida saudáveis, que devem ser praticados ao longo da existência, como o controle de doenças prévias (hipertensão, diabetes, obesidade); combate ao sedentarismo, com a prática de atividade física regular; evitar o tabagismo; e praticar ações que estimulem a memória, como leitura e realização de novas tarefas.

 

 

Canabidiol: importação fica mais simples

A Anvisa simplificou o processo de solicitação de importação excepcional de produtos à base de canabidiol em associação com outros canabinoides. A principal mudança está na redução de documentos e informações que devem ser fornecidos ao órgão.

A partir das mudanças, o pedido de importação poderá ser feito apenas com uma prescrição médica indicando a necessidade de uso do produto, que deverá ser anexada pelo paciente ou seu representante legal na hora de fazer o cadastro do pedido.

As medidas aprovadas deverão melhorar o atendimento da crescente demanda de importação de produtos à base de canabidiol. De acordo com a Anvisa, desde 2015 houve um aumento de aproximadamente 700% das solicitações.

EUA estuda impacto de nomes de medicamentos

O Food and Drug Administration (FDA), órgão regulatório da indústria nos EUA quer saber exatamente o que implica a escolha do nome de medicamento. Nomes similares influenciam na prescrição e compra? E na avaliação por parte de comunidade médica e pacientes? A agência lançou um estudo para determinar se os nomes influenciam as opiniões sobre a eficácia de um medicamento.

Os fabricantes de medicamentos enviam seus nomes propostos ao FDA para aprovação, mas as empresas costumam contratar agências de marketing para ajudar a criar um nome. O trabalho da agência é criar nomes de marcas que estabelecem conexões relevantes, mas que seguem as diretrizes da FDA. Por exemplo, as empresas farmacêuticas precisam evitar nomes que especifiquem os atributos de um medicamento ou nomes muito semelhantes aos que já existem no mercado. Os pesquisadores pedirão a 500 consumidores e 500 profissionais de saúde - incluindo médicos, enfermeiros e assistentes médicos - para responderem perguntas sobre sete nomes diferentes de medicamentos e publicará os resultados e as boas práticas indicadas ainda neste semestre

Validade de registro de medicamento passa para 10 anos

O prazo de validade de registro de medicamentos no Brasil passou de cinco para dez anos desde o dia 21/01/2020. Além do prazo, a nova norma regulatória estabelece a documentação necessária para a manutenção da regularização de medicamentos no país. A nova regra também atualiza automaticamente para dez anos as datas de vencimento dos registros vigentes de medicamentos, contadas a partir da concessão do registro ou da última renovação. De acordo com a Anvisa, as empresas tiveram 90 dias para se adequar à nova norma. É importante frisar que o órgão poderá, a qualquer momento do período de validade da regularização e mediante justificativa técnica, exigir provas adicionais e requerer novos estudos para comprovação de qualidade, segurança e eficácia dos medicamentos.

Justiça obriga pais a vacinar os filhos

Com informações de O Estado de S.Paulo

Em meio à queda da cobertura vacinal e reaparecimento de doenças erradicadas, como sarampo, casos de famílias que não vacinam os filhos têm chegado à Justiça, que passou a determinar imunização das crianças. Nos últimos seis meses, houve ao menos três episódios no País. Especialistas explicam que a vacinação é um direito previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e que a falta de proteção põe a vida das crianças em risco. Nesses casos, os pais podem ser multados e até perder a guarda.

O mais recente foi no início de janeiro, quando a Justiça de Minas determinou que um casal vacinasse os dois filhos. Os pais diziam que a opção estava fundamentada em artigos científicos e informaram que se converteram a uma religião que proíbe a “contaminação por vacina”. Após perder a ação em 1.ª instância, a família entrou com recurso, mas perdeu.

Na decisão, o desembargador Dárcio Lopardi Mendes citou a Constituição, “que preconiza que a saúde é direito de todos e constitui dever do Estado assegurá-la, de forma a resguardar um bem maior: a vida”.

Anvisa realiza webinar sobre regulatório internacional

Já estão abertas as inscrições para o Webinar “Regulando medicamentos em um mundo globalizado: necessidade de maior confiança entre reguladores”. O curso online acontecerá no dia 23 de janeiro, das 13h às 14h30, no horário de Brasília (DF). Após a conclusão do curso, os participantes deverão ser capazes de usar as informações discutidas para iniciar uma conversa mais ampla com os órgãos reguladores nacionais sobre o valor e os desafios da criação e da manutenção de acordos mútuos e unidirecionais para a dependência regulatória, não se limitando apenas a esses acordos. O seminário é destinado a profissionais que trabalham na área de regulação de medicamentos. As inscrições podem ser realizadas aqui: https://lnkd.in/dN9Wfe3

Parabéns, Farmacêuticos!

No dia de hoje, nossa gratidão a quem, todos os dias, se dedica à evolução da ciência e à saúde da população, construindo pontes entre a comunidade científica e o público de forma ética e solidária!

05 tendências da Indústria Farmacêutica para 2020

A indústria farmacêutica está crescendo a um ritmo cada vez maior. Espera-se que atinja o valor global de US$ 1,1 trilhão até 2021. Existem mais de 2000 compostos no estágio final de desenvolvimento clínico e mais de 200 novos produtos projetados para serem aprovados nos próximos dois anos - um nível de produção que não é visto há mais de uma década. Mas de acordo com especialistas do site FiercePharma há algumas tendências mais recentes que serão interessantes para acompanhar e ver qual será o seu impacto a longo prazo na indústria farmacêutica. As apostas são:-Avanços na inteligência artificial.-Exploração do potencial da cannabis medicinal.-Uso da tecnologia blockchain para processos de dados mais eficientes, rápidos e seguros.-Regulatório terá cada vez mais peso nas aprovações de custos-Terapias regenerativas e uso de células-tronco