Para evoluir pessoal e profissionalmente: duplas de “accountability”

Se você já teve um parceiro de corrida ou treino na academia, provavelmente percebeu o quanto isso ajuda a manter o controle de seus objetivos de condicionamento físico. Assumir o compromisso de cumprir sua meta pode ser muito mais fácil quando você diz a outra pessoa que estará lá às 6h, faça chuva ou faça sol, pronto para correr. A mesma ideia se aplica a metas profissionais e de negócios. Compartilhá-las com outra pessoa cria muito mais energia e ímpeto para prosseguir, perseverar e superar os desafios. Um parceiro de “accountability” – a habilidade de fazermos como que nós mesmos e os outros se sintam responsáveis - é uma ferramenta altamente eficaz para aumentar a produtividade pessoal e profissional.

Empresas e empregadores inteligentes entendem que as parcerias de responsabilidade são eficazes não apenas para ajudar os funcionários a atingirem seus objetivos pessoais. As parcerias de responsabilidade ponto a ponto no ambiente de trabalho também são muito eficazes para ajudar os funcionários a atingir as metas de negócios e podem ter um impacto significativo na satisfação de cada um e nos resultados financeiros. Diferente da mentoria, uma relação não hierárquica baseada em pares é geralmente mais fácil de estabelecer.

As parcerias de responsabilidade são mais bem-sucedidas quando são uma colaboração entre dois colegas que se gostam e se respeitam mutuamente. Compreender sua personalidade e estilo de trabalho ajuda a criar uma parceria de responsabilidade bem-sucedida.

Você pode se surpreender com o quão motivador e poderoso pode ser compartilhar seus objetivos e planos com outra pessoa. Se você ainda não tem um parceiro de responsabilidade, pense em quem você poderia pedir para fazer isso por você. Pode ser um colega de trabalho, mas muitas pessoas também se beneficiam por ter um parceiro de responsabilidade que está fora de sua organização de trabalho.

O que procurar em um parceiro de “accountability”:

- Comprometimento com a sua meta: ele não deve apenas depender de você para cobrá-lo sobre as metas dele. É preciso “devolver”: cobrar você para que não perca de vista prazos, tarefas e desafios.

- Alguém que torça pelo seu sucesso: isso deve ser mútuo. É preciso se sentir genuinamente feliz com o progresso da sua dupla.

- Ambos devem colocar suas habilidades à disposição do outro: use sua criatividade para ajudar a sua dupla a ver novos ângulos de uma situação ou oportunidades que ele não esteja enxergando.

- Alguém com empatia para compreender as necessidades diversas de cada momento: o momento de relaxar ou de não estar tão preocupado é importante também! E inclusive o parceiro de responsabilidade deve estimular você a tomar essas atitudes quando estiver extremamente cansado. Lembre-se: vocês são parceiros e não carrascos um do outro.

Dia do Farmacêutico: nosso OBRIGADO!

Hoje é o dia de celebrar quem, todos os dias, se compromete com a evolução da ciência e o bem-estar de pacientes e comunidade médica e enfrenta agora o maior desafio da nossa era: o combate à Covid-19. Para marcar essa ocasião, reunimos cinco tendências que representantes da Indústria Farmacêutica internacional apontaram em várias publicações a respeito do mundo pós-pandemia. Confira:

(Com informações de PharmaExec, Fiercepharma e Drug Discovery)

1. A pressão para desbloquear os gargalos dos ensaios clínicos continuará crescendo

A pandemia da COVID-19 ressaltou a necessidade de otimizar os processos de ensaios clínicos. “Agora, a indústria está procurando medidas que a indústria de ciências biológicas poderia tomar para reduzir esses gargalos e acelerar o processo para outros candidatos a medicamentos” diz CJ Anderson, presidente da CCT Research, rede de pesquisa clínica. Anderson cita várias estratégias para otimizar os ensaios clínicos, incluindo a exploração de novos pontos de acesso para os pacientes, o uso de Inteligência Artificial para compactar o processo de triagem, a conscientização pública dos benefícios da participação, o incentivo à participação do médico e a expansão da diversidade do paciente.

2. Estudos globais descentralizados se tornarão uma abordagem padrão de ensaio clínico

Depois de um ano de interrupções sem precedentes na indústria de pesquisa clínica, 2021 está definido para ser outro ano transformador para patrocinadores e organizações de pesquisa de contrato (CROs), de acordo com John Reites, presidente da Thread, um provedor de tecnologia e serviços com foco em pesquisa clínica descentralizada. “Os estudos vão adotar abordagens de estudos descentralizados como opções no início do processo de planejamento de estudos clínicos”, disse Reites. Esta abordagem descentralizada apoiará os estudos em andamento afetados pelos bloqueios do COVID-19 e novos estudos que serão lançados em 2021. “Os patrocinadores e os CROs continuarão ansiosos para se recuperar e acelerar o processo de desenvolvimento de medicamentos após atrasos significativos causados ​​pela pandemia”.

3. A visibilidade cresce em toda a cadeia de valor das ciências da vida

A exigência da vacina Pfizer-BioNTech SARS-CoV-2 de ser armazenada a -70 ° C destacou a importância da cadeia de frios e abastecimento com temperatura controlada. Mandar Paralkar, chefe da indústria de ciências da vida da gigante de software empresarial SAP, vê um número crescente de organizações se conscientizando da necessidade de rastreabilidade mais rigorosa das cadeias de suprimentos que vão além das vacinas COVID-19. “Restrições de tempo para tratamentos personalizados de pacientes impulsionados pela natureza da cadeia de frio de medicamentos caros com tempo determinado de entrada e saída da refrigeração torna os requisitos mais rigorosos para a rastreabilidade das cadeias de identidade e custódia ao longo de toda a cadeia de abastecimento”, disse Paralkar. Outro fator que aumenta a visibilidade da cadeia de suprimentos em ciências da vida é a crescente adoção da Indústria 4.0, o conceito alemão de manufatura inteligente. Na Indústria 4.0, “sensores, dispositivos, máquinas e outros equipamentos estão todos interconectados”, disse Paralkar. Uma interconexão semelhante está chegando ao campo das ciências da vida em geral. “Estamos ganhando total transparência e visibilidade em toda a cadeia de valor das Ciências da Vida”, explicou Paralkar.

4. A radiômica ganhará terreno no desenvolvimento de medicamentos e testes clínicos

A tecnologia de análise de imagem de precisão conhecida como radiômica terá maior adoção em 2021 e será incorporada às estratégias de desenvolvimento de medicamentos e gerenciamento de testes clínicos, de acordo com Rose Higgins, CEO da HealthMyne. “Essas análises baseadas em Inteligência Artificial permitirão aos desenvolvedores de medicamentos obter percepções mais profundas de imagens médicas do que antes, conduzindo o desenvolvimento de terapia acelerada, maior personalização do tratamento e a descoberta de novos biomarcadores que irão aprimorar a tomada de decisão clínica e o tratamento”, disse Higgins.

5. A COVID-19 continuará a surpreender

Apesar de toda a capacidade intelectual e modelos de dados que os pesquisadores usaram para modelar as respostas à COVID-19, a pandemia continua a surpreender os especialistas. A natureza sem precedentes da pandemia torna difícil prever o impacto que o vírus terá no próximo ano. “Não acho que haja informações suficientes neste momento para fazer estimativas de longo prazo”, disse Kasey Fu, diretora de epidemiologia da GlobalData. “Existem tantas incógnitas.” É difícil prever a taxa de transmissão com meses de antecedência ou prever os problemas de logística em jogo ao distribuir duas doses da vacina para bilhões de pessoas. Interrupções na produção e campanhas antivacina são outros fatores a considerar. Fu aconselha que os líderes de saúde ajam se uma vacina não estiver disponível por pelo menos seis meses. “As vacinas não estarão amplamente disponíveis por meses. “A cobertura mundial da distribuição da vacina será ainda mais lenta e com lacunas muito maiores”. “COVID-19 é COVID-19 em qualquer lugar. O ressurgimento devido a casos relacionados a viagens tem sido um grande problema em países que controlaram bem a propagação doméstica do vírus, como China, Coreia do Sul e Japão”.

Conduzindo feedbacks remotos com a equipe

Até março de 2020 estávamos todos acostumados a ver os membros da nossa equipe pessoalmente pelo menos algumas vezes por semana e dar feedback a colegas ou subordinados diretos era uma das atividades que costumava exigir um encontro pessoal e gerava sempre algum tipo de insegurança. Pode ser tentador escolher o “caminho mais fácil” e retirar o feedback da sua lista de tarefas, mas evitar o feedback por semanas, meses ou anos é um caminho direto para tornar seu trabalho muito mais difícil. Não deixe que funcionários remotos escapem e sintam que "quem não é visto, não é lembrado".

Envie mensagens curtas e frequentes e muitas mensagens positivas. Ligue com mais frequência para solicitar mais informações do que o normal. Você provavelmente descobrirá que eles ficarão felizes por você estar iniciando uma comunicação aprimorada. Um bom feedback é o caminho para melhores relacionamentos, melhor desempenho e - acredite ou não – um ambiente de trabalho mais divertido! Confira sete dicas para dominar o feedback remoto:

1. Veja o feedback como sua melhor solução

Em vez de ver o feedback como uma tarefa árdua, veja como o caminho mais rápido para um melhor fluxo de trabalho neste momento. Sua equipe se sentirá mais próxima de você e não tão isolados da empresa. Ser transparente e deixar claro que os está treinando, ajuda. Vocês se apreciarão e respeitarão um ao outro ainda mais. Seus funcionários terão mais chances de pedir ajuda e permanecer na rota para um melhor desempenho.

2. Aumente a quantidade de tempo que você gasta no esclarecimento de metas e prioridades

Em ligações individuais, pergunte aos membros da equipe no que eles estão se concentrando, analise a compreensão de seus objetivos e ajude-os a trabalhar em possíveis prioridades conflitantes. Deixe bem claro quando as metas mudarem e compartilhe novas informações da equipe de gerenciamento sobre o que é importante a cada semana.

Descubra o que está causando atrasos ou problemas e tenha uma conversa aberta sobre como proceder. Se o trabalho deles estiver impactando outros membros da equipe, ajude-os a planejar como se comunicarão mais rapidamente com seus colegas ou ofereça-se para facilitar uma reunião.

3. Acompanhe o que as pessoas estão fazendo

Explore com eles como estão lidando com suas atribuições e ofereça feedback sobre as abordagens. Por exemplo, se eles estão contratando novos fornecedores, pergunte como está indo esse relacionamento, como eles estabeleceram os acordos e como estão gerenciando os contratos. Então, você pode dar algum feedback, tanto positivo quanto de melhoria, sobre os exemplos que eles dão a você e como eles estão se saindo em geral.

4. Peça a eles para contar suas histórias

Pense em uma pergunta de entrevista comportamental que você poderia fazer a um candidato a uma vaga. Peça aos seus funcionários que contem histórias sobre uma situação particular: O que eles fizeram, passo a passo? No caso de funcionários remotos, use essas histórias descritivas como observações de seu comportamento. (Claro, você vai querer ter outros parâmetros de desempenho, incluindo métricas e contribuições de clientes, colegas e outros gerentes.)

5. Ofereça um "bloco" de feedback importante, mas não difícil de implementar

Quando você iniciar o processo de feedback, seja autêntico sobre o que ajudaria vocês dois a trabalhar em direção a objetivos comuns e explique como a abordagem atual de seu funcionário impactou esses objetivos. Por exemplo, você pode dizer: “Quando você não consegue enviar orçamentos aos clientes imediatamente, estamos descobrindo que eles estão entrando em contato com nosso concorrente, X.” Em seguida, faça uma sugestão positiva sobre o que o funcionário pode fazer para implementar a mudança e peça também as sugestões dele.

6. Criar e manter a confiança

Como você não vê os membros da sua equipe pessoalmente e não tem contato visual ou conversas informais frequentes, é importante ligar para eles com mais frequência, a fim de construir e manter relacionamento pessoal. Sempre que possível, comece a bater um papo e pergunte como eles estão em geral. Ouça, seja autêntico e compartilhe um pouco sobre sua própria vida. Essa abordagem ajuda a compensar a falta de comunicação face a face quando chega a hora de dar feedback. Você pode perceber que isso requer um pouco mais de atenção do que quando você conversa com as pessoas no corredor no dia a dia, mas a confiança que você construir valerá a pena.

7. Peça regularmente feedback de cada um de seus colegas remotos

Reserve tempo para solicitar feedback de seus funcionários e diga a eles que você valoriza suas sugestões. Ao receber o feedback deles, fique quieto se sentir uma de atitude defensiva. Comece agradecendo pelo feedback e reconheça que é um ponto importante. Se você não consegue pensar em como ou por que implementar o feedback deles (o que é improvável), diga a eles que deseja pensar sobre isso e apresente algumas ideias sobre como implementá-lo antes de sua próxima reunião. Evite uma resposta rápida que prejudique sua confiança mútua.

Quais foram os canais digitais mais adotados pelas Big Pharmas?

No segundo semestre de 2020, oito grandes marcas da indústria - incluindo Novartis, AstraZeneca e Merck – aumentaram a publicação diária de anúncios em stories patrocinados e orgânicos. A facilidade de direcionar os usuários destas redes para sites corporativos ou de e-commerce com um simples “deslizar” e o ambiente regulatório mais simplificado para a publicidade de medicamentos nos EUA são indicados como as principais razões para esse crescimento.

No entanto, ainda que estas plataformas estejam em alta no momento, os canais digitais e a mídia tradicional ainda responderam pela maior parte das compras de produtos farmacêuticos nos últimos seis meses de 2020.

Os anúncios de busca do Google dominaram, com 336 marcas farmacêuticas investindo prioritariamente em anúncios no sistema de buscas, 122 anunciando no Facebook, 70 no Instagram e 25 no Twitter, de acordo com o Fiercepharma. Para efeito de comparação, durante o mesmo período, somente 26 marcas mantiveram campanhas regulares na TV.

As plataformas com crescimento mais rápido foram Facebook e Instagram, com o número de anunciantes farmacêuticos aumentando 65% desde junho.

Como Encontrar um Mentor para a sua Carreira

Um mentor de carreira é alguém que compartilha conhecimento e experiência com você para ajudá-lo a definir metas, resolver problemas e fazer boas escolhas ao longo de sua carreira. Cultivar uma relação desse tipo pode ser importante para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. Leia mais:

Um bom mentor de carreira fornece voluntariamente aconselhamento e assistência profissional. O relacionamento que você terá com seu mentor será contínuo - ele pode guiá-lo ao longo de sua carreira. É um relacionamento que pode durar muito tempo. Um mentor pode ser indispensável tanto quando você está começando quanto quando está subindo na carreira.

Para quem e como pedir ajuda

Talvez o passo mais importante na busca do emprego dos sonhos seja encontrar alguém que já trabalhe nessa área e que possa oferecer orientação e conselhos à medida que você prossegue. Parece intimidante, mas não precisa ser. Muitas pessoas expressam medo com a perspectiva de pedir ajuda a um total estranho como um mentor em potencial. Por que eles iriam querer te ajudar, afinal? A resposta é fácil: as pessoas gostam de ajudar outras pessoas.

Ao pedir a ajuda de um mentor em potencial, você está deixando-os saber que os admira pelo que fazem e que a carreira deles está em alta. É uma sensação boa, e muitas pessoas ficam felizes em saber que suas experiências e percepções são valiosas para os outros.

Obviamente, nem todos os candidatos a mentores serão estranhos. Você pode ter um ex-chefe, professor, parente ou amigo que poderá ajudá-lo.

Dicas para encontrar um bom mentor de carreira

Mesmo com algumas palavras de incentivo, a ideia de procurar e encontrar um mentor de carreira pode parecer assustadora, então aqui estão algumas dicas para você começar:

• Se você é novo ou está mudando de carreira, pode ser uma boa ideia pesquisar o campo e descobrir mais sobre as principais pessoas que estão nele.

• Aprenda o que puder sobre sua formação, educação e até mesmo interesses comuns.

• Crie uma lista de pessoas que parecem ser boas para você e seus objetivos de carreira.

• Comece a contatar as pessoas de sua lista, mas vá devagar com cada uma. Comece com um e-mail educado e formal para se apresentar e ver quem responde.

• Seja paciente - seus candidatos em potencial a mentores podem estar ocupados e pode levar um ou dois dias para que qualquer um deles responda.

• Tente estabelecer um relacionamento com eles e conhecer suas personalidades, ao mesmo tempo em que exibe a sua. Como tantas outras coisas, quando você encontrar o mentor certo, saberá.

A orientação e os conselhos de um bom mentor de carreira podem ser exatamente o que você precisa para guiá-lo durante o próximo conjunto de etapas de sua carreira. Boa sorte e, quem sabe, talvez algum dia alguém entre em contato com você para ser seu mentor.