Alexa, mostre-me o futuro da venda online de medicamentos (com informações do Pharmacy Times)

No Reino Unido, a Bayer Consumer Health testou, no início de 2021, seu primeiro anúncio embutido na assistente pessoal da Amazon, a Alexa. A estratégia permite que os consumidores comprem um produto sem prescrição, conversando com o dispositivo da Amazon – e pode prenunciar tendências mais amplas no setor.

O anúncio feito para o Berocca Boost, um comprimido de vitaminas e cafeína, está sendo testado no momento de iniciar as atividades diárias. Na peça, a voz da Alexa boceja ao dizer “bom dia!” e se desculpa por estar cansada em dias cinzentos como os do inverno na Europa.

Ela pergunta se o ouvinte também se sente desenergizado e sugere que eles podem tentar o Berocca Boost: “Ative sua segunda-feira de manhã. Diga ‘Saiba mais sobre Berocca Boost’ agora”.

O aplicativo então oferece opções para solicitar o produto ou ouvir mais informações sobre ele. Se o ouvinte decidir fazer o pedido, a Alexa pergunta se eles gostariam de usar um método de pagamento e se a entrega deve ser feita no endereço padrão. Basta um sim e o produto estará a caminho.

Embora colocar um produto isento de prescrição em um carrinho da Amazon via aplicativo de voz esteja longe de cumprir os mesmos passos que um medicamento prescrito por um médico, o teste prenuncia o que será possível até mesmo nos mercados farmacêuticos mais regulamentados.

 O teste trouxe resultados iniciais. Entre as pessoas que se engajaram com o anúncio, 23% compraram o suplemento e 41% pediram mais informações, de acordo com dados preliminares.

Continue nos acompanhando por aqui.

#5 dicas para melhorar sua empregabilidade no cenário pós-pandemia!

As estimativas de economistas e especialistas em mercado de trabalho são de que, a partir do segundo semestre de 2021, a retomada econômica comece a tomar fôlego. Se você está procurando um novo emprego ou quer progredir em sua carreira, este pode ser um bom momento para se preparar.

Pense bem sobre como você se vê no futuro. O último ano foi um momento para muitas pessoas reavaliarem suas vidas e carreiras. É possível que você deseje conquistar algo diferente e não passar os próximos dez anos fazendo a mesma coisa.

Depois de ter um emprego ou carreira em mente, elabore um plano e coloque em prática um sistema que permitirá que você atinja seu objetivo.

Confira cinco dicas de atitudes que você pode tomar agora para estar pronto e preparado quando o mercado de trabalho entrar em ação.

Treine o “discurso do elevador”

A primeira ação pode ser criar um argumento de venda de elevador. Esta é uma maneira de contar sua história de forma clara e concisa. O termo é derivado de ser capaz de apresentar a si mesmo ou uma proposta de negócios para um importante tomador de decisões no curto espaço de tempo que vocês estão juntos em um elevador. Você precisa aproveitar a oportunidade e vender-se rapidamente antes que a pessoa saia e as portas se fechem.

Os entrevistadores querem saber sobre suas realizações e responsabilidades atuais. O gerente de contratação precisa ouvir porque você se encaixa perfeitamente no trabalho e no valor agregado à organização. Pratique isso repetidamente até que seja breve, firme, enérgico e persuasivo.

Como você está se saindo nas entrevistas?

Há muitas pessoas que ficaram sem trabalho por mais de um ano. É compreensível que estejam frustradas e chateadas. Esqueça tudo o que você acha que deu errado nas últimas entrevistas. Esta é a hora de começar de novo.

Trabalhe em sua apresentação. Os gerentes de RH tendem a ignorar os candidatos que se apresentam negativamente. Embora você possa se sentir abatido, você deve se apresentar como alguém confiante e competente.

Use os próximos meses para simular entrevistas. Peça ajuda a pessoas que farão críticas honestas e construtivas. Você pode contar com a ajuda de recrutadores que possam oferecer conselhos sobre como melhorar seu desempenho.

Mude sua estratégia de busca de emprego

Se você teve apenas algumas entrevistas e pouca oferta ou nenhuma, é hora de mudar de estratégia. Entenda a maneira como você está procurando um emprego. Se tudo o que você tem feito é enviar formulários de inscrição e currículos, pare de fazer isso por um tempo.

Em vez disso, crie uma lista das empresas para as quais deseja trabalhar, encontre pessoas que você conhece e que trabalhem lá e peça-lhes informações sobre o que é valorizado nos processos de seleção da companhia.

Reative sua rede de contatos. Diga a eles que você está no mercado de trabalho e gostaria de receber sua ajuda. Este é um momento em que grande parte das pessoas está sensibilizada e disposta a cooperar.

Preste atenção a seu perfil do LinkedIn, currículo e presença nas redes sociais

Dê uma nova olhada em seu currículo, perfil do LinkedIn e publicações em mídias sociais. Os profissionais de recursos humanos e recrutadores desejam ver currículos e perfis do Linkedin que demonstrem claramente suas realizações e funções. Certifique-se de destacar todas as coisas incríveis que você realizou.

Um entrevistador gasta apenas cerca de 30 segundos vendo essas informações. O currículo e o perfil do LinkedIn devem capturar rapidamente sua atenção. Seja claro, conciso e descritivo.

Recrutadores, gerentes de contratação e profissionais de recursos humanos olharão suas postagens nas redes sociais para ver se você se encaixa culturalmente. Seus comentários online devem mostrar o valor que você oferece a um potencial empregador.

Dê brilho à sua marca pessoal

Envolva-se em uma campanha autêntica de branding e marketing nas redes sociais, especialmente no LinkedIn. A chave é mostrar suas habilidades, conhecimento e experiência. Você precisa comunicar bem o que pretende fazer a seguir, para que as pessoas saibam como poderão ajudar.

Você pode começar devagar, curtindo e comentando as postagens de outras pessoas. Encontre líderes em seu campo com muitos seguidores. Envolva-se nas conversas deles para amplificar sua própria voz.

Quando você posta online, suas habilidades específicas e experiência no assunto servirão como uma mensagem enviada para possíveis gerentes de contratação, profissionais de recursos humanos, recrutadores e outras pessoas que podem ajudá-lo a conseguir um novo emprego.

Gostou destas dicas para ter mais sucesso em suas próximas entrevistas profissionais? Continue nos acompanhando aqui no blog!

Tudo o que você precisa saber para se candidatar ao Edital de Chamamento Público para atuação direta nos Comitês da Farmacopeia Brasileira!

Quer ter uma atuação direta nos Comitês Técnicos Temáticos da Farmacopeia Brasileira?

O Edital de Chamamento Público já foi publicado pela Anvisa e busca atrair profissionais de instituições de ensino e pesquisa, de laboratórios oficiais de controle de qualidade em saúde, do setor produtivo nas áreas técnicas relacionadas às matérias de competência do colegiado do órgão e demais qualificados para os temas.

É importante observar que a participação nos comitês é considerada atividade de relevância pública, não sendo portanto remunerada.

Ao todo, são 13 os Comitês Técnicos Temáticos.

Eles têm como objetivo assessorar a Anvisa na revisão e na atualização periódica dos seguintes produtos: Farmacopeia Brasileira, Farmacopeia Homeopática Brasileira, Formulário de Fitoterápicos, Formulário Homeopático, Formulário Nacional, Denominações Comuns Brasileiras e Substâncias Químicas de Referência.  

Inscrições e processo de seleção:

O interessado deve acessar o site da agência regulatória, preencher e enviar um formulário eletrônico específico e indicar até três comitês, conforme a ordem de preferência.

No formulário, é preciso inserir o link do currículo Lattes atualizado. Também é preciso analisar e estar ciente do Termo de Compromisso, Confidencialidade e Declaração de Interesses, disponível para consulta no portal da Anvisa.

Os critérios para pontuação e posicionamento na seleção levam em conta: experiência profissional, titulação acadêmica, experiência em colegiados da Farmacopeia Brasileira ou em farmacopeias estrangeiras e conhecimento em língua inglesa.

Inscrições até 23/03!

Continue nos acompanhando por aqui. 🙂

#4 DICAS ESSENCIAIS PARA DIVULGAR SUA MARCA E SE TORNAR AUTORIDADE NAS REDES SOCIAIS!

A presença na mídia social é uma parte importante de qualquer marca ou negócio – e a farmácia não é exceção. À medida que os pacientes acessam a internet e as mídias sociais com mais frequência em busca de informações, as plataformas de mídia social oferecem ótimas ferramentas para pacientes e profissionais de saúde.

Entre os que apostam nas redes sociais está uma lista crescente de profissionais e estudantes de farmácia. Quer adotar essa estratégia? Confira algumas dicas antes de se aventurar pelo caminho dos influencers.

Como pacientes e consumidores têm mais informações disponíveis do que nunca, muitos profissionais criaram plataformas para divulgá-las. Assim, nem todo médico ou farmacêutico está em um espaço de medicina tradicional.

Muitos desses profissionais migraram para o bem-estar, preparação física, cuidados com a pele ou medicina funcional.

Como influenciador, você é uma marca. Você decide qual é o tema central do seu conteúdo, que tipo de tom gostaria de ter com o seu público e ainda pode determinar o quanto da sua vida pessoal você vai compartilhar.


Não existe exatamente um livro de regras que detalha como ser um grande influenciador. Em última análise, o principal é conectar-se com seu público.

Alguns dos meios de comunicação que os influenciadores podem usar são: produtos digitais, podcasts, vídeos, seminários, publicações patrocinadas, marketing de conteúdo etc.

Quatro etapas a considerar antes de começar:

Você quer apenas ter um hobby divertido que complemente sua carreira ou quer fazer disso o seu projeto principal? Antes de começar, faça a si mesmo algumas perguntas:

1. Pergunte a si mesmo por quê: por que você deseja iniciar uma presença pública nas redes sociais? Não se preocupe, essa resposta pode evoluir conforme você avança. Responder a essa pergunta vai ajudar você a focar em sua marca e atingir seu público com o conteúdo certo.

2. Explorar plataformas sociais: uma das primeiras etapas para se tornar um influenciador online é realmente se inscrever nas mesmas plataformas que seu público usa e acompanhá-las. Para algumas pessoas, o Instagram é a única maneira de se conectar com seu público. Para outros, o TikTok, o Twitter ou o LinkedIn podem funcionar melhor. Pesquise qual plataforma é a certa para você antes de começar a investir seriamente nessa meta.

3. Amplie seu foco: pense sobre como você quer ser conhecido. Certifique-se de que todas as oportunidades que você busca estão alinhadas com essa visão. Se você for um influenciador que se concentra na saúde, mas de repente decide fazer um publieditorial com uma marca de fast-food, seu público pode se afastar. Para construir uma marca eficaz, você precisa começar de modo pequeno e específico para ganhar público e continuar a fomentar esse relacionamento. Pode ser tentador tentar fechar negócios com grandes marcas, mas você deve se lembrar que a reação do seu público é o que fará com que esses negócios funcionem ou não.

4. Amplie sua experiência: sua marca é você. Assim como você não gostaria de ser a mesma pessoa que era no ensino médio, também não vai querer que sua marca permaneça no mesmo nível. Você precisa se esforçar continuamente para aprender, melhorar e entregar um conteúdo mais aperfeiçoado para continuar a crescer e ajudar seu público.

Não se esqueça que uma das melhores coisas é a capacidade de mudar. Onde você começa não precisa ser o mesmo lugar onde você termina.

A jornada para se tornar um influenciador pode permitir que você gerencie sua própria carreira, conecte-se com milhares de pessoas que pensam como você e construa uma renda para si mesmo. Dê os primeiros passos cuidadosos para se certificar de que está no caminho certo para o sucesso e de que pode se conectar de forma significativa com seu público.

No final, sua marca e posição como influenciador devem ser um reflexo de sua própria experiência e ajudar a elevar a comunidade com a qual você trabalha.

Gostou?

Continue nos acompanhando por aqui. 🙂

Como falar com seu chefe sobre burnout

Mesmo antes da chegada da Covid-19, a Organização Mundial de Saúde declarou o burnout uma síndrome legítima ligada ao estresse crônico no local de trabalho.

E agora, devido à pandemia, há uma série de novos fatores de estresse.

Uma pesquisa de 2020 da Organização Internacional de Trabalho descobriu que 41% dos trabalhadores se sentem esgotados devido a fatores como trabalhar remotamente, trabalhar mais horas, fazer malabarismos com as demandas familiares, segurança no emprego ameaçado e medo de ambientes de trabalho inseguros.

Isso levou a sentimentos crônicos de tristeza e ansiedade, falta de motivação e incapacidade de concentração.

E a pior parte: 37% dos entrevistados relataram não ter feito nada para lidar com esses sentimentos.

Aqui estão alguns conselhos que o ajudarão a abordar o esgotamento com seu gerente de uma forma que beneficiará a ambos.

Não presuma que seu chefe está ciente

Trabalhar remotamente pode prejudicar a capacidade do seu chefe de entender que você está sofrendo de esgotamento. Portanto, sinta-se capacitado para comunicá-lo.

Se você não falar, eles não serão capazes de ajudar. Não há problema em mostrar vulnerabilidade; não fique constrangido ou envergonhado.

Líderes fortes entendem que o bem-estar é uma prioridade e tem impacto nos resultados de negócios. Eles vão querer trabalhar com você para ajudá-lo a enfrentar os desafios que você está enfrentando.

Você não é o único

Lembre-se de que muitos gerentes também se esgotaram.

Na maioria dos casos, eles sentirão empatia pela sua situação e aconselharão você a voltar aos trilhos. Ter uma conversa aberta também é uma oportunidade de estabelecer novas normas com seu chefe, como ser transparente sobre seu estado de espírito ou dizer não quando não tem disponibilidade.

Se conversar com seu chefe parece muito assustador, comece com outra pessoa. Estabeleça um conjunto permanente de conexões virtuais com amigos, colegas próximos ou mesmo com um treinador ou terapeuta. Ter algumas conexões confiáveis pode até permitir que você ensaie a conversa com antecedência. Pratique comunicar suas preocupações de uma forma que não pareça estar reclamando ou culpando.

E quando chegar a hora da discussão real agende-a quando se sentir calmo, não exausto. Deixe claro que você está pedindo apoio e quer ajudar a encontrar uma solução.

Venha preparado com soluções

Ao abordar a conversa, traga ideias claras sobre o que você precisa e como seu gerente pode apoiá-lo. Pense no que você gostaria de mudar.

Você precisa de recursos adicionais ou mais tempo para se concentrar em projetos de alto nível?

Comunique seus obstáculos ou alinhe as expectativas, porém comece sempre com um objetivo específico para a sua reunião.

Lembre-se de focar a conversa não apenas em você, mas também em sua equipe. Ao mostrar como o esgotamento afeta sua produtividade e o negócio em geral, você terá um diálogo mais construtivo.

Assuma a responsabilidade pela sua saúde

Em última análise, depende de você assumir a responsabilidade pelo seu bem-estar. Defina seus limites e reserve tempo para as atividades que o mantém equilibrado. Faça pausas regulares durante o dia para dar um passeio ao ar livre, fazer um treino rápido ou falar com um amigo ou familiar.

Ao trabalhar em casa, é fácil ficar grudado em sua mesa o dia todo. Aproveitar esse momento pessoal crítico pode fazer toda a diferença.

Para alguns, a pandemia causou esgotamento. Mas para outros revelou um esgotamento que já existia.

Se você puder, tire um tempo para ter alguma perspectiva. Você pode descobrir que está pronto para considerar uma mudança de emprego ou carreira.

Em qualquer caso, não deixe seus sintomas ficarem sem tratamento. Por meio da transparência e da introspecção, você pode transformar o esgotamento em uma oportunidade de definir limites razoáveis que o beneficiarão no longo prazo.

Interfarma lança report com principais dados farmacêuticos de 2020

A INTERFARMA, Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa que congrega laboratórios nacionais e internacionais, além de pesquisadores e universidades, lançou seu relatório sobre os principais dados farmacêuticos de 2020. 

Uma atenção especial foi dada ao atual estágio da Pesquisa Clínica no Brasil, com informações relevantes para os profissionais do segmento.

De acordo com o material, mesmo com diversos indicadores que apontariam o Brasil na direção do protagonismo global, o país tem representado um papel secundário em termos de quantidade de pesquisas, ocupando a 25ª colocação no ranking global.

Temos um mercado que garante o acesso à saúde por meio do SUS, uma população envelhecendo que necessita de medicamentos, somos o 6º no ranking de população do mundo, com altos índices de heterogeneidade, que é um atrativo para pesquisas e estudos, porém dificuldades no acesso aos tratamentos mais modernos, nas exportações, pouca competitividade em importações dos produtos e no investimentos em pesquisas.

Por outro lado, estima-se que o Brasil tenha potencial para, atualmente, passar da 25ª colocação para a 10ª no ranking mundial de pesquisa clínica. Caso isso ocorra, calcula-se que o país tenha um ganho anual de R$ 2 bilhões em investimentos, mais de 48 mil profissionais científicos envolvidos e beneficie mais de 55 mil pacientes, entre outras melhorias.

Confira mais informações sobre o setor farmacêutico na leitura do estudo da INTERFARMA:

https://www.interfarma.org.br/public/files/biblioteca/guia_2020.pdf

ANVISA: Sistema VigiMed completa dois anos e celebra sucesso de notificações de eventos adversos*

Com a implantação do sistema eletrônico VigiMed, em 10 de dezembro de 2018, e medidas de incentivo à notificação, a ANVISA viu dobrar a quantidade de notificações de eventos adversos a medicamentos e vacinas.

Esse resultado é uma conquista importante porque contribui para a segurança desses produtos e, consequentemente, para a saúde da população.

O VigiMed já está 100% implantado e recebe notificações de cidadãos, profissionais de saúde, serviços de saúde e empresas detentoras de registro. O último módulo, o VigiMed Empresas, foi disponibilizado em dezembro de 2020. Com isso, o sistema anterior, o Notivisa, não receberá mais notificações de eventos adversos a medicamentos e vacinas.

Ultrapassamos os números em relação a países desenvolvidos

As notificações recebidas diretamente pela Anvisa passaram de 64,7 por milhão de habitantes, em 2018, para 120,7 por milhão de habitantes, em 2020. Se forem considerados outros sistemas, como o de notificação do Programa Nacional de Imunizações, o Brasil alcançou o excelente número de 199 notificações/milhão de habitantes. Isso representa um grande avanço, elevando a taxa de notificação no Brasil à média reportada na literatura para países desenvolvidos, que é de 130 notificações/milhão de habitantes por ano.  

Mais segurança e saúde

 As notificações de eventos adversos são fundamentais para a identificação de sinais de segurança relacionados a medicamentos ou vacinas. Após a investigação do sinal, algumas ações podem ser postas em prática pela ANVISA, tais como: publicação de alerta e carta aos profissionais da saúde; alteração de bula; adoção de medidas cautelares (suspensão da importação, fabricação, distribuição, comércio, uso etc.) e até cancelamento do registro sanitário.

*Informações da ANVISA.

06 dicas para não repetir 2020 no Home Office

Em 2020, quando recebemos a instrução de “trabalhar em casa”, muitas pessoas ficaram maravilhadas. Sem deslocamento estressante, sem dress code, sem política de escritório... Liberdade!

No entanto, a transição está longe de ser perfeita. Naqueles primeiros meses, enquanto aprendíamos a navegar uma pandemia, muitos erros foram cometidos. Confira no texto a seguir, seis dicas para não repetir 2020 em 2021:

1. Eu não vou mais... trabalhar no sofá

Você se lembra daquelas postagens virais de pessoas trabalhando na cama ou usando uma tábua de passar como uma mesa improvisada? Hilário, sim, mas não é exatamente uma solução de longo prazo.

Se você deseja permanecer produtivo e eficiente, crie um espaço de trabalho. De acordo com uma pesquisa do The Guardian, 28% dos ingleses transformaram um quarto em um escritório doméstico. Mesmo se você estiver em um apartamento pequeno ou em uma casa compartilhada, é uma boa ideia encontrar um espaço dedicado para fazer seu trabalho. Você melhorará sua concentração e foco - e salvará suas costas do esforço causado por cair no sofá por horas a fio.

2. Eu vou fazer mais... pausas adequadas

Uma pausa decente deve deixá-lo renovado, positivo e pronto para voltar ao trabalho. Andar três passos para pegar um café e um bolo enquanto navega pelas redes sociais no seu telefone não vai ser o bastante para retomar relaxado suficientemente.

Dê um descanso para as telas e faça um pouco de exercício enquanto isso. Isso levantará seu humor e pode até melhorar seu desempenho no trabalho.

Um estudo acadêmico descobriu que três caminhadas de 30 minutos na hora do almoço por semana melhoram a positividade, reduzem os níveis de estresse e nervosismo, ajudando os participantes a lidar melhor com sua carga de trabalho.

3. Eu não vou... passar o dia todo em videochamadas

As videochamadas são extremamente desgastantes. É muito mais difícil ler a linguagem corporal em uma reunião virtual, então temos que nos concentrar mais.

Existem maneiras de evitar ser sugado pelo vórtice da fadiga do Zoom:

• Ajuste sua agenda. Evite vídeo chamadas consecutivas e participe apenas de reuniões essenciais.

• Telefone. Troque a videochamada por uma boa e velha ligação telefônica tradicional - isso permite que você mude o meio, sinta-se menos constrangido, pois não se verá na tela e se concentrará em uma conversa com uma ou algumas pessoas por vez.

• Separe trabalho e lazer. Mude os aplicativos que você usa para chamadas de negócios e lazer e desloque seu ambiente para qualquer um dos dois, se puder - não use o mesmo aplicativo para os dois. Desta forma, você pode condicionar seu cérebro para associar ambientes fora do trabalho com chamadas sociais, melhorando o relaxamento.

4. Eu vou... seguir uma rotina

A autodisciplina é essencial. Claro, se você é uma coruja da noite e tem alguma flexibilidade em seu turno de trabalho, siga seu relógio biológico, mas lembre-se de obter um pouco de luz do dia também para um aumento de vitamina D e saúde mental.

5. Eu vou... me desconectar

O mesmo vale para desligar o telefone e fechar o laptop. Os horários de trabalho podem ficar confusos, especialmente se você tiver reuniões com pessoas em outros fusos horários.

Seja rigoroso consigo mesmo e desligue o telefone do trabalho às 19h, bem como o laptop do trabalho, para não abri-lo depois do jantar.

6. Eu vou ... me vestir!

Se você pular da cama e sentar-se direto na frente do computador, isso economiza tempo, mas será que obtém resultados? A certa altura, o trabalho pode deixar você tão ocupado que estará apenas saindo da cama e começando a trabalhar.

Tomar banho e se vestir - não precisa ser exatamente como faria para ir ao escritório -  mas pelo menos uma roupa limpa e confortável vai fazer com que você se sinta melhor e tenha mais energia.

Siga essas dicas e note as mudanças. São pequenas ações que transformam nosso rendimento e disposição!