Como surgem os nomes de remédios

Muitas vezes, os medicamentos têm vários nomes. Quando descoberto, ele recebe um nome químico, que descreve sua estrutura atômica ou molecular. Portanto o nome químico, geralmente é muito complexo e pesado para uso geral. Em seguida, uma versão abreviada do nome químico ou um nome em código (como RU 486) é desenvolvido para facilitar a referência entre os pesquisadores.

Quando um medicamento é aprovado pela agência reguladora de administração de alimentos e medicamentos dos EUA (Food and Drug Administration, FDA – a agência do governo responsável por garantir que os medicamentos comercializados nos Estados Unidos sejam seguros e eficazes), ele recebe um nome genérico (oficial) e um nome comercial (proprietário ou de marca). Por exemplo, a fenitoína é um nome genérico e Dilantin é um nome comercial para o mesmo medicamento.

Quando um medicamento está protegido por patente, a empresa o comercializa com o seu nome comercial. Quando o medicamento não está protegido por patente, a empresa pode comercializar seu produto com o nome genérico ou o nome comercial. Os nomes genéricos e comerciais devem ser exclusivos para impedir que um medicamento seja confundido com outro quando prescrito. Para evitar essa possível confusão, todo nome comercial proposto deve ser aprovado pela FDA.

Os nomes genéricos geralmente são mais complicados e mais difíceis de serem lembrados do que nomes comerciais. Muitos nomes genéricos são uma versão abreviada do nome químico, estrutura ou formulação do medicamento. Por outro lado, os nomes comerciais geralmente são atrativos, relacionados com a utilização prevista do medicamento e relativamente fáceis de serem memorizados, de modo que os médicos prescrevem o medicamento e os consumidores o procuram pelo nome comercial. Os nomes comerciais muitas vezes sugerem uma característica do medicamento. Por exemplo, Lopressor reduz a pressão arterial, Glucotrol controla os níveis elevados de açúcar (glicose) no sangue e Skelaxin relaxa os músculos esqueléticos. Às vezes, o nome comercial é simplesmente uma versão abreviada do nome genérico do medicamento — por exemplo, Minocin para minociclina.

O termo genérico, quando aplicado a alimentos e produtos domésticos, tem o objetivo de descrever as versões mais baratas e menos eficazes ou, até mesmo, cópias de menor qualidade de um produto de marca registrada. No entanto, a maioria dos medicamentos genéricos, embora mais baratos do que os medicamentos de nome comercial correspondentes, possuem a mesma eficácia e a mesma qualidade que os medicamentos de nome comercial (veja Bioequivalência e intercambialidade de medicamentos genéricos). Na verdade, os fabricantes de medicamentos genéricos fabricam muitos produtos de nome comercial para as empresas que controlam os nomes comerciais. Às vezes, mais de uma versão genérica de um medicamento está disponível. Por exemplo, muitos fabricantes vendem versões de paracetamol, um fármaco de venda livre comumente usado para aliviar a dor e a febre.

Os farmacêuticos devem explicar que os medicamentos genéricos de venda livre são tão eficazes quanto os originais. No entanto, o consumidor pode preferir um produto a outro por causa de sua aparência, sabor, consistência ou outras características.

Fonte: msdmanuals