fbpx

Novos remédios para Diabetes podem ser incluídos no SUS

Por Dr Carlos Eduardo Barra Couri.

O governo tem um mecanismo de participação popular para acrescentar novos medicamentos a serem fornecidos no SUS. É a chamada consulta pública, que visa trazer mais transparência e discussão em torno dos custos e dos benefícios que certos tratamentos podem trazer à rede pública.

Em 2020, aconteceu algo inusitado, que há mais de 40 anos não era visto. A comissão do SUS responsável por analisar a inclusão de novas terapias para diabetes deu um parecer inicial favorável à inclusão de dois remédios de uma mesma classe: empagliflozina e dapagliflozina.
Ambos possuem benefícios muito claros, como redução importante da glicose no sangue sem aumentar o risco de hipoglicemia (quando a glicose fica muito baixa). Além disso, promovem perda de peso — de três a quatro quilos, mais ou menos — e diminuição da pressão arterial e do ácido úrico.

Mas o grande ponto dessa classe veio em 2015, data da publicação do lendário estudo EMPA-REG. Ele foi o primeiro na história a mostrar uma queda nos eventos cardiovasculares (infarto, AVC etc) em pessoas com diabetes tipo 2. Nessa pesquisa, utilizou-se a empagliflozina em indivíduos que também tinham apresentado problemas cardiovasculares prévios. Além de evitar mortes, houve uma menor taxa de hospitalização por insuficiência cardíaca e de insuficiência renal crônica.

Posteriormente, estudos com dapagliflozina em populações com menor risco cardiovascular e também com aquelas já com insuficiência cardíaca revelaram benefícios cardiovasculares. Tudo isso, em conjunto, deu ainda mais robustez a essa importante classe de medicamentos.

Como o parecer inicial da comissão do SUS foi favorável à inclusão dessas drogas, é necessário que todos participemos da consulta pública para reforçar essa posição e, finalmente, garantir essas opções de ponta à maior parte da população, que não tem recursos suficientes para bancar tratamento do tipo no longo prazo. Acompanhe as Consultas públicas e ajude a melhorar o tratamento das pessoas com diabetes tipo 2 no SUS!